31 de março de 2011

13º CANTO DA LAGOA - RESULTADO

Flavio Hansen:- Melhor Intérprete com "De Pedra e Poesia".
O 13º Canto da Lagoa aconteceu de 24 a 27 de março na cidade de Encantado. O festival é aberto a todas tendências musicais e conta com a participação de músicos, cantores e compositores de todo o Brasil, dando uma característica unversal ao evento.
O elenco de jurados era formado por Vinícius Brum, Ivo Ladislau, Loma Pereira, Marco Araújo e Edson Vieira e o resultado foi o seguinte:

 

 

Etapa Nacional: 

1º lugar: Canto Solar  (R$ 8 mil + troféu)
Letra: Caetano Silveira
Música: Fausto Prado
Intérprete: Juliano Barreto
Bateria: Marquinhos Fê
Contrabaixo e vocais: Lucas Esvael
Violão e vocais: Moreno Moraes
Cidade: Porto Alegre – RS

2º lugar: De Pedra e Poesia  (R$ 5 mil + troféu)
Letra: Carlos Omar Villela Gomes e Marco Antonio “Xirú”Antunes
Música: Diogo Matos
Intérprete: Flávio Hansen
Bateria: Arison Martins
Violão e vocal: Emerson Martins
Guitarra Semi-Acústica e Vocal: Piero Ereno
Acordeon: Luizinho Corrêa
Baixo: Edison Macúglia
Teclado e Vocal: Diogo Matos
Cidade: Santa Maria – RS

3º lugar – Do Porto Pro Mar  (R$ 3 mil + troféu)
Gênero musical: reggae canção
Letra: Gustavo Ghisleni
Música: Gustavo Ghisleni, Eduardo Barzotto e Gustavo Graciola
Arranjo: Banda Luauê
Interpretação: Duda Barzotto e Grupo Caldo de Cana
Alemão Viana – teclado e violino;

Júnior – bateria;
Gustavo Ghisleni – percussão e vocal;
Gustavo Graciola – guitarra;
Roni Dal Pizol – violão;
Mateus Dalla Lasta – baixo;
Arthur Marder – harmônica.
Melhor Tema para Encantado: Pescaria no Taquari
(Jorge Moreira/Fabio Tiecher) - (R$ 1,5 mil + troféu) 
Melhor Intérprete:  Flávio Hansen - De Pedra e Poesia   (R$ 1 mil + troféu)
Melhor Arranjo: Quando a Lua Despencar

(Jaime Vaz Brasil/Adriano Sperandir/Christian Sperandir)  (R$ 1 mil + troféu)
Melhor Instrumentista: Marquinhos Fê - Canto Solar– (R$ 1 mil + troféu)
Melhor Grupo: Grupo Caldo de Cana - Do Porto Pro Mar (R$ 1 mil + troféu)

29 de março de 2011

4º CANTO MISSIONEIRO - SUCESSO DE NOVO


Adair de Freitas recebe trofeu do prefeito Eduardo Loureiro
O 4º Canto Missioneiro da Música Nativa, realizado de 24 a 27 de março, na Capital Missioneira, foi novamente um sucesso. O festival é promovido pela prefeitura de Santo Ângelo, através da Secretaria de Cultura, Lazer e Juventude, com produção e coordenação artística da Gente Gaúcha Produções. Mais de mil pessoas lotaram o Teatro Antônio Sepp, nas quatro noites do festival, que tem entrada franca. Novamente o mau tempo na região não permitiu que a final acontecesse em frente a Catedral Angelopolitana, como nas duas primeiras edições. No palco o que se viu foram obras de muito boa qualidade, executadas por músicos e intérpretes da primeira linha do nativismo.
No Canto Piá Missioneiro, a gurizada soltou a voz em boas interpretações, dando a certeza de que num futuro próximo teremos mais alguns intérpretes de gabarito.
Era voz corrente entre os participantes que o Canto Missioneiro já figura entre os principais festivais do estado, mesmo estando apenas na quarta edição, opinião esta corroborada pelos profissionais dos 26 veículos de imprensa que cobriam o evento.
Os jurados do 4º Canto Missioneiro, Carlos Cardinal, Colmar Duarte, Elton Saldanha, Gabriel Ortaça e Marinês Siqueira, no entender da maioiria, foram justos no seu veredito que apontou os seguintes destaques:

3º CANTO PIÁ MISSIONEIRO
Modalidade Mirim:
1º Lugar: Vitória Santana - São Gabriel
2º Lugar: Ruam Boscaini - São Grabriel 
Modalidade Juvenil:
1º Lugar: João Cócaro - Santo Angelo
2º Lugar: Lucas Raimundo - São Pedro do Butiá

4º CANTO MISSIONEIRO:
Primeiro Lugar:  Milonga para o Domador (Adair de Freitas)
Int: Adair de Freitas














Segundo Lugar: Catedral ( Lisandro Amaral/Guilherme Collares)
Int: Joca Martins













Terceiro Lugar: As Razões de Ser Assim (Binho Pires/Beto Liel) Int: Grupo Alma de Galpão















Melhor Interprete: Joca Martins - Catedral






















Melhor Instrumentista: Beto Liel (Harpa)  - As Razões de Ser Assim






















Melhor Letra: Milonga Para o Domador - Adair de Freitas
Melhor Arranjo: Catedral - Guilherme Collares/Lisandro Amaral
Melhor Tema Missões: As Razões de Ser Assim
Mais Popular: As Razões de Ser Assim

Fotos: Fernando Gomes

17 de março de 2011

9ª SENTINELA - CLASSIFICADAS - GERAL E LOCAL

Érlon Péricles classificou duas obras.
Foram divulgadas nesta quinta-feira, as canções concorrentes na 9ª Sentinela da Canção Nativa que acontece nos dias 8, 9 e 10 de abril de 2011, em Caçapava do Sul. Estão incluidas as classificadas para a Fase Local do evento.
FASE GERAL:
01 - A ÚLTIMA RECORRIDA – Milonga
LETRA: Joel Freitas Paulo e Othelo Caiaffo
MÚSICA: Volmir Coelho e Adriano Gomez
CIDADE:  Rosário do Sul e Livramento
02 - BOIADA DE PENAS - Chamarra
LETRA: Valdir Desconsi
MÚSICA: Zulmar Benitez
CIDADE:  Santiago e Bagé
03 - CONSCIÊNCIA GALPONEIRA - Chamarra
LETRA: Joel Freitas Paulo
MÚSICA: Fábio Prates
CIDADE: Rosário do Sul e Santa Maria
04 - ESTE MEU VERSO A MODA ANTIGA – Chamarra
LETRA: Gujo Teixeira
MÚSICA: Érlon Péricles / Duca Duarte
CIDADE: Porto Alegre
05 - FUDUNÇO - Tango
LETRA: Juca Moraes
MÚSICA: Frutuoso Araújo
CIDADE: Pelotas e Cruz Alta
06 - NOS RUMOS DO SALADEIRO – Chamamé
LETRA: Diego Muller
MÚSICA: Rui Carlos Ávila
CIDADE: Pelotas e Canoas
07 - PELAS MÃOS - Milonga
LETRA: Severino Rudes Moreira, José Mauro Ribeiro Nardes
MÚSICA: Nelcy Vargas
CIDADE: Candiota - D. Pedrito e Entre Ijuis
08 - POR UM FIO – Milonga
LETRA: Zeca Alves
MÚSICA: Glademir Escobar
CIDADE: Itaqui, Val de Serra e Julio de Castilhos
09 - PRA GENTE DO MEU RINCÃO – Milonga
LETRA: Gujo Teixeira
MÚSICA: Paulo Ricardo Saavedra
CIDADE: Lavras do Sul e S. Gabriel
10 - QUEM ME DERA – Milonga
LETRA: Manoel Oribe ( Manolo )
MÚSICA: Luiz Cardoso
CIDADE: Livramento e Rivera
11 - QUANDO A GUITARRA PERDE A ALMA – Milonga
LETRA: Paulo Ricardo Costa
MÚSICA: Regis Reis e Dartanham Portella
CIDADE: Santa Maria
12 - SOPRANDO AS BRASAS DA AUSÊNCIA 
LETRA: Martim César Gonçalves
MÚSICA: Alessandro Ferreira e Paulo Timm
CIDADE: Pelotas
13 - TEMPORAIS – Milonga
LETRA: Beth Rodrigues, Ethiele Silveira e Rui Carlos Àvila
MÚSICA: Rui Carlos Ávila
CIDADE: Pelotas
14 - UMA CARREIRA DAS BUENAS - Chamamé
LETRA: João Sampaio , Odenir dos Santos
MÚSICA: Érlon Péricles
CIDADE:Itaqui e Porto Alegre

FASE  LOCAL
01 - ALMA ENCHARCADA – MILONGA
LETRA: Zauri Tiaraju de Castro
MÚSICA: Rogério Silva
02 - CAMPEIROS – Chamamé
LETRA: Eder Lima
MÚSICA: Felipe Lima
03 - COM A ALMA NA GARGANTA – Chamamé
LETRA: César Tiaraju Machado de Souza
MÚSICA: Pedro Raimundo Porto da Silva
04 - DE TEMPO E VIDA - Chacarera
LETRA: César Tiaraju Machado de Souza
MÚSICA: Renata Bairros
05 - DIFERENÇAS ENTRE GÁUCHOS – Rancheira
LETRA E MÚSICA: Felipe Xavier de Lima
06 - EXILIO CAMPEIRO – Chamarra
LETRA e MUSICA:  Arlindo Carvalho Jr.
07 - IRMÃOS DE ALMA E DE CAMPO – Chamarra
LETRA : Jorge Freitas
MÚSICA: Derli Trindade
08 - NA HORA DO ENTARDECER – Milonga
LETRA e MÚSICA:Orlando Mazzini
09 - O QUE O CAMPO FALA – Milonga Canção
LETRA: Marilaine Pereira
MUSICA: Derli Trindade
10 - POR SER DA TERRA – Chamamé
LETRAS: Mauro Dias
MÚSICA: Cleber Brito

4º CANTO MISSIONEIRO - ORDEM DE APRESENTAÇÃO

Adair de Freitas estará no 4º Canto Missioneiro.
Eis a relação das músicas concorrentes no 4º Canto Missioneiro da Música Nativa, que acontece de 24 a 27 de março na capital missioneira, Santo Ângelo. Dia 24 serão realizados 0 3º Canto Piá Missioneiro e a Etapa Local do festival.  Na sexta (25) e no sábado (26) estarão no palco as concorrentes na Etapa Geral. A ordem de apresentação inicialmente liberada para a Etapa Geral é esta abaixo, mas poderá sofrer alterações de acordo com o interesse do evento:
Sexta-feira, 25 de março:
1. SOU MISSIONEIRO ( João Antunes/Anilto Peixoto) - Vaneira - Int:  Os Peixotos      
2. SAUDADE, TEMPO E AUSÊNCIA (Eron Carvalho/Helio Augusto)  - Valsa -  Int: Helio Augusto     
3. AS RAZÕES DE SER ASSIM (Binho Pires/Beto Liel) - Polca - Int: Grupo Alma de Galpão   
4. AO PÉ DA CRUZ MISSIONEIRA (Nenito Sarturi/Chico Roloff/Desidério Souza) - Chamamé -  Int: Leonardo Sarturi e Armando Maicá 
5. GAÚCHO UNIVERSITÁRIO (Rodrigo Bauer/Amigo Souza) - Vaneira - Int: Amigo Souza 
6. SINA DE CHIBEIRO (Gilberto Lamaison/Gabriel “Selvage”) - Chamarra -                     
7. NEGO VÉIO (João Stimamillio/Osmar Carvalho) - Milonga - Int: Leandro Cachoeira
8. PRA ESCUTAR MINHAS “VANERA” LÁ FORA (Gujo Teixeira/Jari Terres) - Vaneira - Int: Jari Terres
Sábado- 26 de março:
1. PRA SER CANTOR MISSIONEIRO ( Rosangela Rosa/Claudio Knierin/Dian Costa) - Milonga - Int: Marco Lima 
2. TRAMANDO SONHOS, “TOREANDO” INVERNOS... (Lucas Mendes/Jean Kirchoff/Ita Cunha)  - Polca -  Int:  Jean Kirchoff  
3. UM CANTOR DE IDENTIDADE (Carlos Omar Villela Gomes/Juliano Moreno) - Milongsa - Int: Juliano Moreno
4. DUVIDO NÃO PASSAR (Piero Ereno)  -Vaneira
5. ESSAS ALMAS MISSIONEIRAS (Joel de Freitas Paulo/Jorge Prado) - Milonga -Int:                                                                       
6. TRIBUTO A SEPÉ (Alvandy Rodrigues/Darci Oliveira) - Rancheira - Int: Pedro Neves      
7. MILONGA PARA O DOMADOR (Adair de Freitas) - Milonga - Int: Adair de Freitas                                      
8. CATEDRAL (Lisandro Amaral/Guilherme Collares) Chamamé - Int: Joca Martins                                            

14 de março de 2011

19ª SAPECADA - CONCORRENTES

De um total de 530 música inscritas, foram definidas nesta segunda-feira, as 16 concorrentes na 19ª Sapecada da Canção Nativa, festival que acontece nos dias 20 e 21 de junho na cidade catarinense de Lages.
Classificadas:
1- O MESMO
Ritmo: MILONGA
Letra: MATEUS ALVES DA FONTOURA E FÁBIO MACIEL
Música: JULIANO MORENO
Cidade: PORTO ALEGRE / SANTANA DO LIVRAMENTO - RS
2- A MEMÓRIA DE PEDRA
Ritmo: MILONGA
Letra:   GUJO TEIXEIRA
Música: CRISTIAN CAMARGO
Cidade: CANDIOTA - RS
3- O PRIMEIRO CANTO
Ritmo: MILONGA
Letra:   SÉRGIO CARVALHO PEREIRA
Música: ROBERTO BORGES
Cidade: PELOTAS - RS
4- MONÓLOGO DE UM CAVAL
Ritmo: MILONGA
Letra:   MÁRCIO NUNES CORRÊA E HÉLVIO LUIS CASALINHO
Música: FABIANO BACCHIERI
Cidade: PELOTAS - RS
5- FEITO ALPARGATA
Ritmo: MILONGA
Letra:   LIZANDRO AMARAL
Música: ROBERTO LUÇARDO
Cidade: PIRATINI - RS
6- O ESPINHO
Ritmo: CHAMAMÉ
Letra:   OTÁVIO SEVERO
Música: MATHEUS LEAL / ANDRÉ TEIXEIRA
Cidade: DOM PEDRITO - RS
7- EN EL CORAZÓN DE MI MADRE
Ritmo: CHAMAME
Letra:   KIKO GOULART
Música: KIKO GOULART
Cidade: LAGES - SC
8- MOJANDO LA LANA
Ritmo: CHAMARRITA
Letra:   RODRIGO JACQUES
Música: JARI TERRES
Cidade: JAGUARÃO E PELOTAS - RS
9- AQUEL VIEJITO
Ritmo: ZAMBA
Letra:   HELVIO LUIS CASALINHO
Música: FABIANO BACCHIERI
Cidade: PELOTAS - RS
10- INFÂNCIA
Ritmo: CHAMARRA
Letra:   EMERSON FERNANDES XAVIER
Música: MATHEUS ALVES
Cidade: DOM PEDRITO - RS
11- TOADA BOEIRA
Ritmo: TOADA
Letra:   MATEUS NEVES DA FONTOURA E RODRIGO DUARTE
Música: RODRIGO DUARTE
Cidade: PORTO ALEGRE / NOVO HAMBURGO - RS
12- CHAMARRITA ROMANCERA
Ritmo: CHAMARRITA
Letra:   FABIO MACIEL
Música: VITOR AMORIM E KIKO GOULART
Cidade: LAGES - SC
13- PICADOR
Ritmo: CHAMAMÉ
Letra:   EVAIR SOARES GOMES
Música: JULIANO GOMES
Cidade: PORTO ALEGRE - RS
14- POR UM FIO
Ritmo: CHACARERA
Letra:   JULIANO DOS SANTOS
Música: LUCAS MENDES
Cidade: JULIO DE CASTILHOS - RS
15- COPLAS PARA DOM JOSÉ OLIVEIRA
Ritmo: CHACARERA
Letra:   ANDRÉ OLIVEIRA
Música: MIGUÉ VIEIRA E GIOVANI VIEIRA
Cidade: SÃO GABRIEL - RS
16- PAISAGEM INTERIOR
Ritmo: MILONGA
Letra:   MARTIN CESAR GONÇALVES
Música: PAULO TIMM
Cidade: JAGUARÃO - RS

12 de março de 2011

COMEÇA A TRIAGEM DO 4º CANTO MISSIONEIRO

Na manhã desta segunda-feira, 14 de março, iniciam os trabalhos de pré-seleção e triagem das  músicas inscritas no 4º Canto Missioneiro da Música Nativa, festival promovido pela prefeitura de Santo Ângelo, através da Secretaria de Cultura, Lazer e Juventude, com produção executiva da Gente Gaúcha Produções.  A partir das 9 horas da manhã, sob o comando do Secretário de Cultura, Leoveral Golzer, e a coordenação do produtor Jairo Reis, os cinco integrantes da comissão avaliadora, Carlos Cardinal, Colmar Duarte, Elton Saldanha, Gabriel Ortaça e Marinês Siqueira, analisarão letra e melodia de cada uma das 806 obras concorrentes nas três categorias previstas no regulamento: Canto Piá, Etapa Local e Etapa Geral. 
Praça da Catedral recebe a final do Canto Missioneiro
Para esta quarta edição foram recebidas inscrições oriundas de vários estados brasileiros e de países do Mercosul, como Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile.
Apesar da metodologia ágil e moderna implementada pela Gente Gaúcha durante a triagem, a atividade deverá se estender até a noite da terça-feira, 15 de março.
O 3º Canto Piá Missioneiro, a Etapa Local  e as duas primeiras noites da Etapa Geral do 4º Canto Missioneiro acontecem 24 a 26 de março de 2011, no Teatro Antônio Sepp. A grande final está programada para o dia 27 de março, na praça em frente a Catedral Angelopolitana, cenário de rara beleza e com alto significado histórico e cultural.

11 de março de 2011

QUARENTA ANOS DE FESTIVAIS, POR FERNANDA MARCON

Recebemos e reproduzimos abaixo, o email da antropóloga Fernanda Marcon cujo anexo é um artigo de autoria da citada doutoranda. Agradecemos o contato e a colaboração e publicamos o artigo no blog, para conhecimento e reflexão.

Olá.  Meu nome é Fernanda Marcon, sou doutoranda em antropologia pela Universidade Federal de Santa Catarina e desde 2007 venho pesquisando os festivais de música nativista do sul do Brasil. Como em 2011 fazem 40 anos do primeiro festival nativista ( A Califórnia, que iniciou suas atividades em 1971) escrevi um artigo para divulgação em blogs nativistas, como uma retribuição à todos que sempre cooperaram com minha pesquisa. Por indicação de Carlos Omar Vilella Gomes procurei o seu blog para consultá-lo sobre a possibilidade de publicação, já que é um blog de bastante procura entre os compositores. Bueno, envio em anexo o artigo para que você possa analisar a possibilidade e também o link do núcleo de pesquisa do qual faço parte para que você possa conhecer meu trabalho.
Agradeço antecipadamente pela atenção,
Fernanda
Link do Núcleo de Estudos Arte, Cultura e Sociedade na América Latina e Caribe (MUSA/UFSC)
http://www.musa.ufsc.br/


Os quarenta anos de Festivais Nativistas no sul do Brasil: perspectivas musicais e antropológicas
Fernanda Marcon
Antropóloga/UFSC

Não é à toa que toda cosmologia – do grego cosmo (mundo) e logos (estudo) – carrega consigo alguns “mitos de origem”. Bem entendido, o mito não consiste em um não-real, ou não-verdadeiro: é um relato específico e bastante dinâmico sobre o passado, mas também sobre o presente e futuro de uma sociedade. Seja ele científico, religioso, estético ou de outra natureza, está sempre a produzir significados que atuam diretamente sobre o imaginário de quem participa dessa sociedade. Além disso, como apontou Claude Lévi-Strauss (1955), os mitos não devem ser reduzidos a um “jogo gratuito ou uma forma grosseira de especulação filosófica”; não são formas arbitrárias, mas significativas. O significado que revelam estaria justamente em uma operação combinatória de elementos culturais, presente em diferentes sociedades, o que, para Lévi-Strauss, explicaria a semelhança entre os mitos de um extremo ao outro da terra.
Este prólogo serve-nos para pensar a constituição de eventos tão importantes para a música gaúcha ou gauchesca no sul do Brasil: os festivais nativistas. Como mito de origem, temos a saudosa história da Califórnia da Canção Nativa de Uruguaiana, inaugurada em 1971 e idealizada pelo poeta e compositor Colmar Duarte após o malogrado festival promovido por uma emissora de rádio de Uruguaiana: o “I Festival da Canção Popular da Fronteira”. A milonga “Abichornado”, de Colmar Duarte e Júlio Machado da Silva Filho foi eliminada pelo júri sob o argumento de que se tratava de uma “música gauchesca”. Descontente com tal resultado, Colmar Duarte decide criar um festival que promovesse exclusivamente a música regional. Para além das diferentes versões sobre o fato, o resultado do festival incitou sobremaneira a decisão de criar um evento no mesmo formato (um festival) que pudesse contemplar um estilo de música visto por Colmar Duarte como discriminado. É preciso notar que os idealizadores do festival também se posicionavam contra a música regional produzida até então no RS: a chamada música tradicionalista gaúcha, tendo em Teixeirinha, Zé Mendes e Pedro Raymundo seus principais ícones. Em sua perspectiva, a música regional gaúcha deveria passar por um processo de inovação estética, onde a qualidade musical fosse o principal objetivo. Não era lá um objetivo tão inovador, com o perdão do trocadilho. As querelas entre artistas e indústria cultural não são setentistas nem terminaram no século XXI: a chamada “tchê music” está aí para não nos deixar mentir. O espaço de legitimidade ocupado por diferentes gêneros musicais é sempre um lócus de disputas. Diferentes atores e interesses acionam argumentos a todo o momento. Se o primeiro festival intentava ou não ocupar o espaço que lhe considerava devido, sua participação mitológica na cosmologia nativista ainda reverbera em cada parque de exposições, em cada final de semana de festival. No entanto, pensando em uma perspectiva musical e, de minha parte, antropológica, para um fenômeno tão diverso e multifacetado, poderíamos refletir aqui sobre algumas dinâmicas contemporâneas que constituem a produção de música nativista – já nem tão restrita ao sul do Brasil -, e que se nem tanto inovadoras, constituem audições de mundo bastante interessantes.
Uma delas – que pude discutir com mais detalhe em minha dissertação de mestrado -, diz respeito aos gêneros musicais escolhidos pelos compositores nos festivais.  De acordo com a etnomusicóloga Maria Elizabeth Lucas (1990), os gêneros de canção considerados tradicionais ou nativos nos festivais de música nativista correspondem a reinterpretações locais das danças de salão européias que invadem as Américas na metade do século XIX e que, no Rio Grande do Sul, substituíram ou foram incorporados às danças trazidas pelos colonizadores açorianos e luso-brasileiros no século XVIII. (Lucas, 1990: 211) No final do século XIX, entram em cena gêneros vindos da Argentina, Uruguai e Paraguai – ainda que, a princípio, utilizados timidamente por compositores locais e pouco executados nos bailes e fandangos do estado – como a milonga, o chamamé e a polca paraguaia e correntina.
A seleção de gêneros pelos compositores nativistas variou muito com o tempo. Na pesquisa realizada por Lucas nos anos 1980, a autora encontrou a predominância dos seguintes gêneros:
Um inventário dos gêneros musicais predominantes nos sete principais festivais que pesquisei em 1986-1987 mostrou que de um total de 216 canções, 53 eram milongas, 20 toadas, 19 canções, 16 valsas, 16 vaneira/vanerão, 13 chimarritas, 10 rancheiras, 9 mazurcas e chamamés, 7 chotes e 6 bugios (...) [tradução minha] (LUCAS, 1990: 228)
No levantamento que realizei durante a 16a e 17a Sapecada da Canção Nativa em Lages-SC, percebi a presença de outros gêneros platinos - para além da milonga e do chamamé que, desde os anos 1980 vêm sendo muito executados nos festivais. Das 64 canções classificadas para as duas edições do festival, 23 foram milongas, 14 chamamés, 7 chamarras, 3 canções, 3 rasguido-doble, 2 chotes, 2 vanerões, 2 polcas, 2 milonga-canção, 1 zamba, 1 chacarera, 1 toada e 1 milonga-candombe.
A predominância de milongas e chamamés torna-se um fato curioso na medida em que durante os primeiros festivais eram gêneros pouco privilegiados e, inclusive, não muito apreciados por jurados e comissões organizadoras. Santi (2004) analisa o regulamento da XXV Califórnia da Canção Nativa (1995), onde o artigo n. 15 proíbe expressamente gêneros como o chamamé, o tango, a zamba e a chacarera, considerando-os representantes de países e regiões vizinhas e não integrados à cultura musical sul-rio-grandense. (Santi, 2004: 86) E a milonga? Interessante notar como não é citada como um gênero não integrado à cultura musical do RS, e nisso o regulamento da Califórnia entra em acordo com a perspectiva dos folcloristas locais, como é o caso de Cezimbra Jacques:
[...] Espécie de música crioula platina, cantada ao som da guitarra (violão) e que está [...] adaptada entre a gauchada riograndense da fronteira. (JACQUES, 1979: 167)
Barbosa Lessa e Paixão Côrtes são ainda mais enfáticos ao incluir a milonga como um gênero folclórico do RS:
Marcante [...] foi a presença do ritmo milonga entre os cantadores de galpão, em praticamente todos os municípios fronteiriços desde Itaqui, na fronteira com a Argentina, até Jaguarão, na fronteira com o Uruguai. [...] A milonga galponeira pode ser considerada uma expressão realmente folclórica tanto da Argentina como do Uruguai e do Rio Grande do Sul. (BARBOSA LESSA; PAIXÃO CÔRTES, 1975: 141)

Assim, as calorosas discussões a respeito da “aculturação” (termo utilizado pelo regulamento do festival Califórnia da Canção Nativa) promovida pelo chamamé não chegam à milonga, gênero que mais prosperou nos festivais nativistas.
O que estes aspectos podem nos dizer a respeito do mito de origem dos festivais nativistas? Muitas coisas, obviamente, mas, em particular, gostaria de assinalar a vitalidade desses 40 anos de intensa produção musical brasileira e sul-rio-grandense e sua capacidade especial de ultrapassar barreiras, limites estéticos e morais ao se renovar tantas vezes. Ao abraçar a música latino-americana, ao pilchar roqueiros e jazzistas em seus palcos, ao ser tão plural em sua ressonância no tempo.

Obras citadas no artigo:
Lessa, Barbosa. Nativismo: Um fenômeno social gaúcho. L&PM, Porto Alegre: 1985.
Lessa, Barbosa; Côrtes, Paixão. Danças e andanças da tradição gaúcha. Porto Alegre: Garatuja, 2a Ed. Porto Alegre, 1975.
Lévi-Strauss, Claude. Antropologia Estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2008.
Lucas, Maria Elizabeth da Silva. Gauchos on Stage: Regionalism, Social Imagination and Tradition in the Festivals of Musica Nativa, Rio Grande do Sul, Brazil.
(Tese de Doutorado) The University of Texas, Austin, 1990.
Santi, Álvaro. Do Partenon à Califórnia: o nativismo e suas origens. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

10 de março de 2011

27º REPONTE: PROVAVEL ADIAMENTO

Galpão  do Camping da Lagoa em dia de Reponte.
Em entrevista exclusiva ao programa Ronda dos Festivais, apresentado por Jairo Reis na Rádio Rural AM 1120,  o senhor Silvestre, um dos coordenadores do Reponte da Canção de São Lourenço do Sul, informou em primeira mão que a 27ª edição do festival, programada para os dias 31 de março, 1º, 2 e 3 de abril, muito provavelmente será cancelada em consequência da enxurrada que assolou o município de São Lourenço do Sul na madrugada desta quinta-feira, 10 de março.  O Camping da Lagoa, local onde fica o Galpão que normalmente abriga o festival, está situado numa das áreas mais atingidas pela enchente.
Uma reunião entre representantes da prefeitura municipal, coordenadores e demais integrantes da comissão organizadora do evento, deverá ser realizada neste final de semana para analisar a situação e decidir pelo adiamento do Reponte por pelo menos 30 dias.
O momento agora é de estender solidariedade aos Lourencianos e torcer para que a situação volte ao normal com a maior brevidade. 

8 de março de 2011

MANOCA DO CANTO GAÚCHO É LANÇADA OFICIALMENTE

Comissão Organizadora da 6ª Manoca.

Na noite deste sábado, 5, um jantar-baile realizado na Associação Atlética Alliance One marcou o início da 6ª Manoca do Canto Gaúcho de forma oficial. Estiveram presentes 180 convidados que prestigiaram o evento e puderam conferir a apresentação do Gaúcho Pachola, em seu show-baile.
Na oportunidade, Giovani Müller foi empossado como presidente da 6ª Manoca e também da Associação Cultural Pró Rio Grande (Ascupr). "É uma satisfação ser reeleito, acredito que a Manoca tem tudo para crescer ainda mais neste ano. O evento de lançamento foi muito bom e estamos entusiasmados para realizar mais um grande festival", afirma Müller.
Além do presidente, a diretoria também foi reeleita. A única alteração foi a entrada de Paulo Moraes como coordenador da 1ª Manoca Poética, evento paralelo que estreia em 2011. "Estamos dando o pontapé inicial nesta nova etapa, com a Manoca Poética. Esperamos que seja um sucesso também, da mesma forma que é a Manoca do Canto Gaúcho.
A fase local da Manoca do Canto Gaúcho acontece dia 14 de maio,  e fase geral nos dias 20 e 21 de agosto, no Auditório da Faculdade Dom Alberto, na cidade de Santa Cruz do Sul. 

João Cléber Caramez
Coordenador de Mídia - 6ª Manoca
51 9638 - 4907

Rovani Morales
Coordenador da 6ª Manoca
51 9619 - 9297

6 de março de 2011

10º ACAMPAMENTO - RESULTADO

Shana Muller: Melhor Intérprete
Eis o resultado do 10º Acampamento da Canção Nativa, festival realizado de 03 a 05 de março na cidade de Campo Bom.
Primeiro Lugar:  Descendente
Letra: Lisandro Amaral
Música: Christian Camargo
Intérprete -  Lisandro Amaral
Segundo Lugar: Milonga de campo a Laurindo Pedra
Letra: Fábio Maciel e Gujo Teixeira
Música: Vítor Amorim
Intérpretes -  Marcelo Oliveira e Índio Ribeiro
Terceiro Lugar: O Espelho no Escuro
Letra: Carlos Omar Villela Gomes e Paulo Righi
Música: João Bosco Ayalla e Nilton Júnior
Intérprete -  Robledo Martins
Melhor Intérprete:   Shana Muller
Melhor Instrumentista:  Eduardo Lopes (Dudu)
Melhor Arranjo:  Descendente
Melhor Indumentária:  Quarteto Coração de Potro
Melhor tema sobre o vale dos sinos:  Campo Bom é um paraíso
Mais Popular; Campo Bom é um paraíso
Letra: Roberto Ornes
Música: Alexandre Oliveira
Intérprete -  Alexandre Oliveira

5 de março de 2011

RESULTADO DO 9º BIVAQUE DA POESIA

Romeu Weber:   Destaque entre os declamadores.
O 9º Bivaque da Poesia Gaúcha aconteceu nos dias 03 e 04 de março na cidade de Campo Bom, paralelamente ao 10 º Acampamento da Canção Nativa, cuja final ocorre neste sábado, 05.
O destaques do Bivaque são os seguintes:
POESIA:
Primeiro Lugar: "Cruz de Cedro"
Autor: Rodrigo Bauer
Interprete: Pedro Júnior da Fontoura,
Amadrinhador: Clênio Bibiano da Rosa
Segundo Lugar: "Palanque"
Autor: Cristiano Ferreira Pereira
Intérprete: Zeca Pereira
Amadrinhador: Claudio Silveira
Terceiro Lugar: "Porque Choram Inocentes"
Autor: Jorge Luis da Rosa Chaves
Intérprete:  Neiton Perufo
Amadrinhador: Juliano Moreno
DECLAMADOR:
Primeiro Lugar: Romeu Weber
Poema:  "Ode as Mãos do Bem"
Autor: Vaine Darde
Segundo Lugar:  Wilson Araújo
Poema: "A Dor"
Autores: Cláudio Silveira e Cristiano Ferreira Pereira
Terceiro Lugar:  Pedro Júnior da Fontoura
Poema: "Cruz de Cedro"
Autor: Rodrigo Bauer
AMADRINHADOR:
Primeiro Lugar:  Raul Sartor Filho e Marcos Vinícius Pinto
Poema: "Do Outro Lado do Rádio" (Vinícius Nardi)
Segundo Lugar: Clênio Bibiano
Poema: "Cruz de Cedro"(Rodrigo Bauer)
Terceiro Lugar: Lenin Nuñes
Poema:  "Ode as Mãos do Bem"(Vaine Darde)

3 de março de 2011

TROCA DE JURADOS NO CANTO MISSIONEIRO

Alegando razões de ordem pessoal e profissional, o cantor, compositor e acordeonista  Luiz Carlos Borges abriu mão de participar como jurado do 4º Canto Missioneiro da Música Nativa, festival da cidade de Santo Ângelo.   Para substituí-lo o foi convidado e aceitou de pronto a missão, o também cantor, compositor e acordeonista, Gabriel Ortaça.
Filho do grande cantor missioneiro Pedro Ortaça, Gabriel desde muito jovem participa do grupo musical que acompanha seu pai. Tem 4 discos gravados, dois em parceria com seu irmão, Alberto,  e dois individualmente. O mais recente, lançado em 2010,  tem por título "Sangue, Raça e Procedência".
Gabrile Ortaça é profundo conhecedor da cultura e da música missioneira e certamente desempenhará importante papel na Comissão Avaliadora do 4º Canto Missioneiro.  Os outros integrantes são Carlos Cardinal, Colmar Duarte, Marinês Siqueira e Elton Saldanha.
Relativamente as inscrições, é fundamental destacar que o prazo se esgota no dia 04 de março de 2011.
As obras podem ser inscritas pela internet, bastando enviar o arquivo de áudio, a ficha de inscrição devidamente preenchida e a letra da composição para o email: gentegaucha@gmail.com .

1 de março de 2011

BLOG DO LÉO RIBEIRO É DESTACADO NO RONDA...

Léo Ribeiro e Jairo Reis
Nesta terça-feira, 1º de março, o poeta, compositor, Léo Ribeiro, participou do programa Ronda dos Festivais apresentado por Jairo Reis na Rural AM 1120. Na pauta do encontro, o 1º aniversário do blogdoleoribeiro.blogspot.com  mantido por ele e, sobretudo, o anúncio dos "Destaques da Década", resultante de uma enquete elaborada pelo blogueiro e respondida por 26 pessoas identificadas com a cultura gaúcha, na qual apontaram os grandes nomes do nativismo e do tradicionalismo em diversas modalidades no período entre 2000 e 2010.  E o resultado foi o seguinte: 


FESTIVAL (MUSICAL):  Reponte (São Lourenço do Sul)
FESTIVAL (POÉTICO): Sesmaria (Osório)
GRUPO DE BAILE:  Os Monarcas
GRUPO DE SHOW: César Oliveira e Rogério Melo
SHOW INDIVIDUAL: Luiz Marenco
INTÉRPRETE MASCULINO: Nilton Ferreira
INTÉRPRETE FEMININO: Shana Müller
ARTISTA NATIVISTA: Luiz Carlos Borges
ARTISTA REGIONALISTA: Pedro Ortaça
QUEM MELHOR REPRESENTA A MUSICALIDADE DO SUL, FORA DO ESTADO: Renato Borghetti
GAITEIRO (GAITA PIANO): Luciano Maia
GAITEIRO (GAITA PONTO): Edilberto Bérgamo
VIOLONISTA: Marcello Caminha
COMPOSITOR MELODISTA: Érlon Péricles
COMPOSITOR LETRISTA: Gujo Teixeira
POETA OU POETISA: Antônio Augusto Ferreira
DECLAMADOR: Romeu Weber
DECLAMADORA: Liliana Cardoso
PAJADOR: Jadir Oliveira
TROVADOR: José Estivalet
INVERNADA ARTÍSTICA: Aldeia dos Anjos (Gravataí)
PROGRAMA REGIONALISTA (TV): Galpão Crioulo (RBS TV)
PROGRAMA REGIONALISTA (RÁDIO): Galpão do Nativismo (Rádio Gaúcha)
APRESENTADOR (TV): Antônio Augusto Fagundes
APRESENTADOR (RÁDIO): Ernesto Fagundes
ENTIDADE QUE MELHOR REPRESENTA O TRADICIONALISMO: MTG - Movimento Tradicionalista Gaúcho
EVENTO QUE MELHOR REPRESENTA O TRADICIONALISMO: Rodeio Crioulo Internacional de Vacaria.
PESSOA QUE MELHOR REPRESENTA O TRADICIONALISMO: João Carlos Paixão Côrtes